Sinalização Digital

 

A sinalização digital é composta por diversas partes a trabalhar em conjunto.

É difícil de definir, devido à enorme flexibilidade quanto a aplicações e formas que assume, contudo existem componentes ubíquos, que estão na sua base, como o equipamento, software, conectividade e conteúdo. Com Equipamento referimo-nos aos componentes físicos necessários (que variam dependendo da função do produto) – ecrãs, impressoras, teclados, componentes de rede, etc; Software é um termo genérico para referir os vários programas utilizados para operar o dispositivo, incluindo sistema(s) de gestão de conteúdo e dispositivos; a Conectividade, que é a forma como os sinais digitais se relacionam com a fonte, pode recorrer a Wi-Fi, ligações com fios ou tecnologias móveis; e, finalmente, o Conteúdo, que envolve o custo operacional mais elevado com este tipo de produto, já que compensa haver uma criação contínua de conteúdo fresco e relevante.

Portanto, estes componentes trabalham em conjunto de modo a possibilitar a exibição da mensagem. As mensagens podem ser publicitárias, enfatizar um produto ou promoção específicos, serviços de localização… a lista é infindável, devido ao vasto âmbito de aplicações da sinalização digital.

 

Mas o que é sinalização digital?

A perceção mais abrangente de sinalização digital está relacionada com sinalização eletrónica, isto é, informação apresentada de forma dinâmica.

Ao passo que existe alguma discussão quanto à sua definição, por ter ampla aplicabilidade, não há qualquer questão quanto à sua vasta presença. A sinalização digital está presente em restaurantes, lojas de venda a retalho, aeroportos, museus, estádios ou hotéis (entre muitos outros locais), como uma forma efetiva de comunicar de forma direta e dinâmica com os seus clientes, dado que a gestão do conteúdo pode ter resultados imediatos.

O termo, sendo ubíquo, abrange diferentes tecnologias utilizadas com os mais diversos propósitos. A sinalização digital pode ser descrita como um subsegmento da sinalização, onde a mensagem (conteúdo digital) é transmitida através de uma interface digital (como LCD, LED ou Projeção). Como foi mencionado anteriormente, esta sinalização encontra-se em diversas localizações, desde sistemas de transporte, espaços públicos ou edifícios empresariais, com os mais variados objetivos, como o auxílio com a localização (wayfinding), exposições, ou como interface de marketing ou publicidade.

De forma muito sumária, a sinalização digital implica um ecrã (de qualquer tamanho) a exibir conteúdo (de qualquer tipo) com um propósito específico.

Para mais, também proporciona dayparting, viabilizando a exibição de conteúdo diferente dependendo da hora do dia ou do dia da semana, de modo a responder a múltiplas necessidades (e, no caso da publicidade, atingir um público-alvo mais específico), como alternar entre passar um anúncio sobre café pela manhã e um trailer de um filme ao fim da tarde.

Até há pouco tempo, a única interface disponível era estática e não responsiva, pelo que qualquer alteração de conteúdo era muito dispendiosa e difícil de conseguir de maneira oportuna, além de envolver um significante impacto ambiental.

Apesar de o custo inicial destes dispositivos ser mais elevado, a sua versatilidade, adaptabilidade e aspeto impactante e atraente admitem um ROI comprovado.

 

Beatriz Eiras

Deixe-nos um comentário